06 outubro 2018

Tecnologia a favor da cidadania




Chegamos a mais uma eleição, dessa vez no nível hard (em todos os sentidos). Frente ao cenário que estamos vivendo nos últimos dias no Brasil, não tem como sair ileso da tormenta, nem se você decidir jejuar 21 dias no alto da montanha. Mas, como não voltei a escrever aqui no blog pra catequizar ninguém, nem pra expor voto, vou direto ao assunto desse post.

Vim para fazer uma lista de tudo que a tecnologia tem produzido e que me ajudou a navegar nessa tempestade que virou o processo de eleição. Venho a um certo tempo fuçando algumas delas e posso dizer que mais uma vez o universo digital ajuda a entender as coisas. Ok! Dessa vez é preciso cansar o cérebro um pouco mais para checar as informações, mas há tecnologia pra ajudar nisso também.


Aplicativos


O primeiro que você tem que ter é o E-Titulo (versão Android) (versão iOS) do Tribunal Superior Eleitoral. Se você participou do processo de biometria seu dados estarão no banco de dados e você nem precisa do título em papel para votar, basta instalar esse app. Fique atento aos dados informados. Qualquer erro de digitação ou número faltando vai gerar erro na busca. Também da Justiça Eleitoral, tem o app Resultados (versão Android) (versão iOS) que promete facilitar o acompanhamento da apuração.

Para essas informações não vou indicar nenhum aplicativo sem ser do TSE porque nessa maré de falsificação e venda de dados pessoais em que estamos mergulhados é bom ficar atento e ligado nas fontes oficiais mesmo.


http://www.tse.jus.br/eleitor/servicos/aplicativo-e-titulo


Outro app muito legal é o Detector de Ficha de político. Através de reconhecimento facial o app informa os políticos que respondem a algum processo por corrupção. Você tira uma foto do candidato na tv, na tela do computador, no santinho ou pessoalmente se tiver a oportunidade. As informações sobre o processo pipocam na sua tela. Baixe na App Store (https://goo.gl/2BKk5E) e no Google Play (https://goo.gl/kJ49QX).


Plataformas de afinidade eleitoral


Algumas plataformas apareceram para funcionar como uma espécie de calculadora de afinidade
eleitoral. Em resumo, você informa ao sistema o que pensa em relação a vários temas, ele cruza essas respostas com o banco de dados dele e te devolve um resultado que apresenta qual candidato tem propostas mais alinhadas com seu raciocínio. Aqui vale o bom senso para pesquisar quem desenvolveu o sistema e como alimentou o banco de dados. Isso já dá uma boa base pra você saber quais as reais intenções de cada sistema. Não esquece de observar isso! Tem muita ferramenta desenvolvida por grandes jornais, mas essas eu confesso que não tô dando credibilidade. A lista das que testei:



Redes de checagem dos fatos

 


Se você acredita que nunca caiu numa fake news eu tenho algo a te dizer: caiu sim! Só não percebeu. Calma que isso não diminui você perante a sociedade. Saiba que os grandes veículos da imprensa também já caíram em notícias falsas, inclusive estampando primeiras páginas de jornais e portais por aí. É a famosa barrigada jornalística que já virou hábito, infelizmente. E olha que apurar fatos é a profissão dessa galera...

Isso acontece por conta de um tarefinha básica que muita gente não quer fazer: a apuração. Apuração de informação é algo que não é só função dos bons jornalistas, viu? Você como bom leitor deve conhecer os mecanismos que te ajudam a apurar informação de forma ágil para não cair em qualquer fake news que cruzar seu caminho. Ou pior! Passar pra frente uma informação equivocada por nem perceber que era. 


Como sempre há males que vêm para o bem, nesses tempos chatos de pós-verdade e fakes (muitos fakes), uma série de comunidades foram formadas para checar as informações que circulam na internet. O trabalho geralmente é colaborativo e conta com a participação da sociedade. Tem sido tão bem executado que grandes empresas como o Facebook contrataram essas equipes para apurar as informações que circulam em suas redes. Hoje eu não vivo sem dar uma passadinha para verificar informações nos seguintes portais de checagem:


 

 Youtube

 

 

Parece óbvio e é. O Youtube é uma fonte inesgotável de boa informação se você observar com carinho quem são e quais os objetivos dos produtores do conteúdo. Senti muita necessidade de retomar questões relacionadas à História do Brasil e do mundo nesses últimos meses. Também busquei ouvir filósofos que me tranquilizaram mais que terapia. Vou deixar os dois canais que mais assisti nesse período e que me ajudaram a refletir e esclarecer algumas questões que eu tinha dúvida porque nunca aprendi direito na escola.